Loading

Uma Noite de Inverno

Uma Noite de Inverno

2003

Escuridão no firmamento,

Chuva que cai ao sabor do vento,

Vento que assobia e chama por alguém

Deambula por lugares que não são de ninguém.

A noite cai e a cidade adormece

Tudo em si se retrai, tudo em si esmorece.

Ruas desertas, despidas de movimento

Ruas caladas e sem qualquer pensamento.

É a indiferença que acorda e o mistério que se instala

O frio que se intensifica percorrendo sala a sala.

Um corpo que aquece junto a uma lareira

Enquanto outro arrefece por não ter uma telha.

É a brancura que se apodera de um vidro

Privando-nos de olhar para o exterior,

Um ajuntamento de pessoas

Tentando provocar o calor.

Por fim a multidão desvanece

E o calor cede ao frio,

Uma sala que antes estava cheia

Transborda agora de vazio.

Muda, surda, insípida,

Não respira, não tem vida,

Prostrada pelo silêncio,

Abandonada e esquecida...




Nenhum comentário


Deixe o seu comentário: